Pesquisar por:
Banda Mil Milhas abre a segunda temporada do projeto "Estação Rubi", em Salvador
Banda Mil Milhas abre a segunda temporada do projeto “Estação Rubi”, em Salvador

A banda Mil Milhas, uma das mais tradicionais de pop rock baiano, abre a segunda temporada do projeto Estação Rubi, em Salvador. Batizada de Verão Dançante – dance bem, dance mal, dance sem parar, a temporada começa nesta quinta-feira (dia 19), das 20h30 às 22h45, no Wish Hotel da Bahia, dentro da série Quintas a Mil, com apresentação da Mil Milhas.

Em atividade desde 1995, o grupo formado por Fernando Barreto (voz, vocais e guitarra), Humberto Batalha (contrabaixo e vocais), Nino Moura (violão e guitarra), Alejandro Fuentealba (teclado, guitarra e vocais), Raul Carlos Gomes na bateria e Áureo Jr (voz, vocais e meia lua) volta a se apresentar no dia 26 de janeiro, no mesmo horário e local.

No repertório da Mil Milhas, composições autorais, mas principalmente os grandes sucessos que marcaram as gerações dos anos 1980 e 1990. O público vai dançar ao som de bandas e artistas renomados, como Capital, Inicial, Legião Urbana, Titãs, Barão Vermelho, Raimundos, Lulu Santos, Raul Seixas e muitos outros, assim como consagrados grupos ícones internacionais, como Beatles, Pink Floyd, The Police, Oasis, Coldplay e Bob Dylan.

“Serão dois shows incríveis, muito dançantes e com super hits. Músicas que todos adoramos cantar e onde homenagearemos as grandes bandas que embalaram nossas vidas” diz Áureo Júnior, vocalista da Mil Milhas. O guitarrista Fernando Barreto, que também participa dos vocais, informa que “na verdade, é mais uma festa do que um show. Vai ter uma pista para dançar com o melhor do pop rock de todos os tempos”.

Serviço:

O quê: show da banda Mil Milhas abre a segunda temporada do projeto Estação Rubi, dentro da série Quintas a Mil

Quando: quintas-feiras (dias 19 e 26 de janeiro), das 20h30 às 22h45

Onde: Wish Hotel da Bahia (Av. Sete de Setembro, 1.537, Dois de Julho, Salvador – BA)

Quanto: couvert artístico custa R$ 100 e está à venda pelo WhatsApp: 71 9922-4545 e 9692-4546

Jussara Silveira apresenta o show “Voz do Coração” em Salvador - Foto: Alexandre Moreira
Jussara Silveira apresenta o show “A Voz do Coração” em Salvador

A cantora Jussara Silveira apresenta o show A Voz do Coração, nesta sexta-feira (dia 20), às 21h, na sala principal do Teatro Castro Alves, em Salvador. A live que era para ser apenas uma experiência virtual em meio a pandemia, virou o show presencial que está percorrendo o Brasil. Os ingressos para o show na capital baiana custam entre R$60 e R$160 e estão à venda na bilheteria do Teatro Castro Alves e no Sympla.

Ao lado do pianista Danilo Andrade e do percussionista Marcelo Costa, responsáveis pelos arranjos, Jussara Silveira traz no show clássicos do seu repertório e lançamentos como o single Três, número representativo na carreira da cantora mineira. “Quando escolhi essa música pensei no trabalho que construí com Marcelo e Sacha, que é um trabalho de três. Era a cara da gente. E a letra traz essa liberdade de amar e se relacionar com o mundo. Quero falar sobre o que vem, o que a gente pode e deve fazer para seguir cantando”, conta Jussara.

O repertório do show mostra a diversidade de “sotaques”, as aproximações melódicas e rítmicas, as abordagens temáticas, enfim, as semelhanças e dessemelhanças entre os universos artístico-culturais da língua portuguesa. De Flor Bailarina, vem o gingado de Canta meu Semba, de Paulo Flores, e Lemba, de José Manoel Canhanga, expoentes da música angolana.

Do álbum Pedras que Rolam, Objetos Luminosos, com parcerias de Beto Guedes e Ronaldo Bastos, tem Choveu. Também é de Bastos, em parceria com Celso Fonseca, a canção-título, A Voz do Coração. O espetáculo trará músicas que o público pede, como Dama do Cassino e O Nome da Cidade, de Caetano Veloso, e Dê um Rolê, de Moraes Moreira e Galvão.

Não faltarão Zé Miguel Wisnik, Tenho Dó das Estrelas, sobre poema de Fernando Pessoa; Vinicius Cantuária e Chico Buarque, com Ludo Real; Zeca Baleiro, com Babylon; além dos baianos que sempre marcaram a obra da cantora nascida em Minas Gerais e criada em Salvador. Roberto Mendes e J. Velloso, na linda Doce Esperança, Cézar Mendes (irmão de Roberto) e José Carlos Capinan, em Ifá.

YouTube player

Serviço:

O quê: Jussara Silveira apresenta o show A Voz do Coração em Salvador

Quando: sexta-feira (dia 20/01), às 21h.

Onde: Sala Principal do Teatro Castro Alves (Praça Dois de Julho, s/n, Campo Grande, Salvador – BA)

Quanto: ingressos custam R$ 160 (inteira) e R$ 80 (meia-entrada) nas filas A a W), R$ 140 (inteira) e R$ 70 (meia-entrada) nas filas X a Z6) e R$120 (inteira) e R$ 60 (meia-entrada) nas filas Z7 a Z11 e estão à venda na bilheteria do TCA e no Sympla.

Classificação: 16 anos

Informação: (71) 98441-8262

Espetáculo “Maldita Seja” volta a cartaz com temporada de verão em Salvador
Espetáculo “Maldita Seja” volta a cartaz com temporada de verão em Salvador

O espetáculo Maldita Seja volta a cartaz com temporada de verão no Teatro Sesi Rio Vermelho, em Salvador. A encenação, que é assinada por Hyago Matos, duplamente indicado em 2022 ao Prêmio Braskem de Teatro na categoria Revelação pela direção das peças Antígona e As Centenárias, retorna ao palco após duas bem sucedidas temporadas em teatros da capital baiana. A peça fica em cartaz nos três finais de semana seguidos, às sextas, sábados e domingos – de 13 a 29 de janeiro, sempre às 20h. Os ingressos custam R$40 (inteira) e R$ 20 (meia-entrada) e podem ser comprados na bilheteria do teatro ou pelo Sympla.

Maldita Seja coloca em cena as atrizes Vivianne Laert (no papel de Cema) e Veridiana Andrade (atuando como Nevinha), personagens criados pelo dramaturgo Paulo Henrique Alcântara, que escreveu a peça especialmente para Hyago Matos. A parceria artística entre dramaturgo, diretor e atrizes é antiga. Paulo Henrique Alcântara já dirigiu Vivianne Laert por duas vezes em Álbum de Família, de Nelson Rodrigues, em 2008, e em A Lira dos Vinte Anos, de Paulo César Coutinho, em 2016.

Professor da Escola de Teatro da Universidade Federal da Bahia (UFBA), Paulo Henrique Alcântara escreveu e dirigiu a peça Sublime é a Noite, em 2017, para uma turma de formandos do curso de Interpretação Teatral, da qual faziam parte Hyago Matos e Veridiana Andrade.

A história

A peça Maldita Seja se desenvolve em torno de duas criadas, Cema, a mais velha, e Nevinha, a mais nova. Durante o velório do patrão, figura influente em uma cidade do interior, elas atravessam a madrugada na cozinha do casarão onde moram, revirando o passado da família para a qual trabalham. Ao longo dos anos a devotada Cema fez da cozinha seu porto seguro, mirante de onde muito viu e ouviu. Ela sempre se esmerou em servir, atenta aos chamados dos quartos, aos pedidos na mesa do jantar. Vigilante, está pronta a cuidar, fiel guardiã.

Enquanto o patrão é velado na sala de visitas, Cema permanece na cozinha, onde desfia seu rosário e conta, por insistência de Nevinha, histórias envolvendo a família do morto, relatos, por vezes, parecidos com as tramas das novelas de rádio que Nevinha tanto aprecia. À medida em que as horas avançam, Nevinha escuta novos segredos, capítulos marcados por discórdias e dolorosas separações. Mas, para surpresa de Cema, o amanhecer vai trazer um acerto de contas com o seu próprio passado, após ser descoberto algo que vai mudar para sempre a vida da criada.

O contexto da peça e suas personagens, colocadas em papel de subalternidade, suscitam reflexões de ordem social e permitem, enquanto afloram as suas histórias pessoais, discussões de fundo político, levantando oportunas abordagens sobre desigualdade social, opressão feminina e preconceito.

A montagem tem cenário criado por Maurício Pedrosa, figurino de Guilherme Hunder, iluminação de Otávio Correia, trilha sonora de Luciano Bahia, maquiagem de Julia Laert e contrarregragem de Bárbara Laís. A produção está a cargo de Clarissa Gonçalves.

Serviço:

O quê: temporada de Verão do espetáculo Maldita Seja

Quando: sextas, sábados e domingos de janeiro (dias 13, 14 e 15, 20, 21 e 22, 27, 28 e 29), às 20h, no Teatro Sesi Rio Vermelho (Rua Borges dos Reis, nº 9, Rio Vermelho, Salvador – BA)

Quanto: ingressos a R$40 (inteira) e R$ 20 (meia-entrada), que podem ser comprados na bilheteria do teatro ou pelo Sympla

O legado de um homem é o tema do espetáculo "Fantasia de Guerra" que estreia em Salvador
O legado de um homem é o tema do espetáculo “Fantasia de Guerra” que estreia em Salvador

“Todo homem tem que deixar um legado?”. Esse é o tema central de Fantasias de Guerra, espetáculo de pré-formatura do ator Marcos Lopes, que estreia em Salvador. A montagem tem texto inédito de autoria do dramaturgo Gil Vicente Tavares, também diretor do espetáculo e professor orientador do curso de Interpretação Teatral, na Escola de Teatro da Universidade Federal da Bahia (UFBA). A peça fica em cartaz no Teatro Martim Gonçalves, de 6 a 29 de janeiro, sextas e sábados, às 20h e domingos, às 19h. Os ingressos custam R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia-entrada) e estão à venda na plataforma Sympla.

Marcos Lopes já é conhecido do público de Salvador, com atuação nas áreas de Teatro, Circo, Música e Produção Cultural. Integrante do Coletivo Duo Teatro e da Trupe Musiclauns, foi indicado ao Prêmio Braskem de Teatro nas categorias Ator e Espetáculo Infantojuvenil com seu espetáculo solo O barão nas árvores. Integrou o elenco das peças Redenção e As Tentações de Padre Cícero, essa última sob a direção de Gil Vicente Tavares. Em Fantasia de Guerra, o ator se volta a uma cena mais intimista, proposta pela dramaturgia do autor, centrada na interpretação e na relação do ator com o texto.

O espetáculo narra o encontro de dois homens, um Soldado e um Fugitivo, que se encontram em meio à guerra e passam a viver juntos para sobreviver. Estes, serão interpretados por Marcos Lopes e Marcelo Praddo, ator convidado para dividir o palco com Marcos. A questão do legado permeia o diálogo das personagens, onde visões de mundo, da guerra e da vida são postas à prova, durante os dias de convivência entre o Soldado e o Fugitivo.

Neste trabalho, Lopes passeia por um novo caminho interpretativo e exercita a sua diversidade de atuação. Feliz e com as melhores expectativas para a conclusão desse ciclo, ele espera que este trabalho “seja uma grande celebração, mas que também seja um espetáculo que de alguma forma impacte as pessoas pela sua temática, pelo que traz de reflexão, pelo momento que o país vive de total destruição, que é um pouco do que a peça fala, a saída desse processo de destruição para um processo de renascimento, tanto na peça quanto no país”.

A ficha técnica reúne um time de profissionais conhecidos e premiados da cena teatral soteropolitana, como Eduardo Tudella, que assina a cenografia e a iluminação do espetáculo. O músico Luciano Bahia é o responsável pela trilha e a direção musical. Já o figurino é de Guilherme Hunder. Fantasia de Guerra é uma realização da Escola de Teatro da UFBA, conta com a parceria do Teatro NU e apoio do estúdio Arroyo, sob a direção de produção de Letícia Aranha.

Serviço:

O quê: espetáculo Fantasia de Guerra, com os Marcos Lopes e Marcelo Praddo

Onde: Teatro Martim Gonçalves – Escola de Teatro da UFBA (Av. Araújo Pinho, 292, Canela, Salvador – BA)

Quando: sextas e sábados, às 20h, e domingos, às 19h, de 6 a 29 de janeiro

Quando: os ingressos custam R$ 20 (inteira) e R$10 (meia-entrada) e estão à venda na plataforma Sympla

O legado de um homem é o tema do espetáculo "Fantasia de Guerra" que estreia em Salvador
O ator Marcelo Praddo contracena com Marcos Lopes no espetáculo Fantasia de Guerra – Fotos: Diney Araújo
Margareth Menezes toma posse como ministra da Cultura e ressalta força do setor para outras áreas
Margareth Menezes toma posse como ministra da Cultura e ressalta força do setor para outras áreas

A cantora baiana Margareth Menezes tomou posse como ministra da Cultura na noite desta segunda-feira (dia 2), ressaltando a força do setor como base transformadora da sociedade, junto com saúde e educação. Em seu discurso, a ministra citou a falta de políticas para o setor cultural no governo passado e celebrou o retorno da pasta.

“Vamos construir pontes que levarão a um futuro mais justo para os artistas e para o povo em geral”, disse Margareth, afirmando que uma cultura forte auxilia em áreas como geração de emprego e educação, por exemplo. “Vamos voltar para ficar em paz com a dimensão cultural do Brasil”. Em seguida, afirmou: “vencemos. O ministério da Cultura está de volta, o Brasil que queremos está de volta”.

A cerimônia foi aberta pela Orquestra Alada Trovão da Mata, de Brasília, que inspirada na tradicional folia de reis, executou o Hino Nacional Brasileiro. O evento contou com a presença de centenas de pessoas no auditório do Museu Nacional, em Brasília. Entre elas artistas e outros trabalhadores da cultura, além de servidores do ministério da Cultura.

Também estiveram presentes parlamentares, ministros do novo governo e a primeira-dama, Janja Lula da Silva. Muito aplaudida, Janja reafirmou a importância da cultura no novo governo. “Nessa caminhada da campanha a gente conversava sobre a importância do setor cultural do Brasil. Em quase todos os municípios que estivemos fizemos reuniões com o setor. Percebemos que tentaram matar a cultura de todas as formas, mas não conseguiram”, disse a primeira-dama.

A ministra encerrou seu discurso cantando e com apoio das palmas dos presentes, Margareth Menezes entoou versos da canção “Manda Chamar”, de Roberto Mendes e Capinam. “Manda chamar os índios, manda chamar os negros, manda chamar os brancos, manda chamar meu povo. Para o rei Brasil renascer, renascer de novo”.

Na posse como ministra da Cultura, Margareth Menezes ressalta força do setor para outras áreas
Margareth Menezes tomou posse como ministra da Cultura em cerimônia que lotou o auditório do Museu Nacional, em Brasília – Foto: Valter Campanato / Agência Brasil

*Com informações da Agência Brasil.

Documentário sobre a vida de homens trans estreia nas plataformas digitais
Documentário sobre a vida de homens trans estreia nas plataformas digitais

Dirigido pela cineasta mineira Silvia Godinho, o documentário Eu, Um Outro sobre a vida de homens trans estreia nas principais plataformas digitais do país nesta quinta-feira (dia 15). A história apresenta Luca, Thalles e Raul, que compartilham algo comum: nasceram como mulheres biológicas. Eu, Um Outro é resultado da curiosidade de Silvia Godinho em retratar pessoas trans no Brasil, o país que mais mata a população LGBTQIA+ no mundo.

Segundo a diretora, o homem trans é o mais invisibilizado da sigla e a intenção do documentário é registrar as vivências deles e naturalizar a existência de corpos trans na vida em comunidade. “Espero que o filme faça o público refletir sobre quão diferentes somos uns dos outros e, ao mesmo tempo, como todos atravessamos experiências semelhantes, que nos conectam enquanto seres humanos. Ou seja, como o exercício da empatia pode nos tornar pessoas melhores, com um olhar mais amoroso sobre o outro e o mundo”, declara a cineasta.

O filme é protagonizado pelo influenciador digital Luca Scarpelli, que deixou sua cidade natal há 12 anos e, apesar disso, ainda mantém vínculos com o local e as pessoas. Desta vez, ele decidiu ir atrás de Ana, seu primeiro amor, que não via desde que era uma menina. Na jornada, ele cruza o caminho com outros dois homens trans. Raul Capistrano é um estudante de filosofia, mas quer ser professor, e Thalles Rocha é um segurança que odeia seu trabalho e enfrenta burocracia e preconceito para registrar seu nome masculino. O que todos têm em comum é a urgência de viver uma vida que acabou de começar.

O filme foi exibido em festivais internacionais como o Outfest Los Angeles 2020 e Melanin Pride Festival, além de integrar o 52º Festival de Brasília do Cinema e o 27º Mix Brasil. Com distribuição da O2 Play, e em parceria com a Oficina de Criação, o documentário está disponível para aluguel Google Play, YouTube Filmes, Apple (Itunes), Vivo Play e Claro TV+.

YouTube player
Trailer do documentário Eu, Um Outro, dirigido por Silvia Godinho, sobre a vida de três homens trans no Brasil, que estreia nas plataformas digitais
Edital Salvador Cine investe R$ 750 mil em produções audiovisuais locais
Edital Salvador Cine investe R$ 750 mil em produções audiovisuais locais

Através do edital Salvador Cine, a Prefeitura de Salvador e a Fundação Gregório de Mattos (FGM) vão investir R$ 750 mil em produções audiovisuais locais. O objetivo do edital é promover a produção, distribuição e o acesso a conteúdos audiovisuais soteropolitanos. Os interessados podem submeter seus projetos até o dia 27 de janeiro de 2023, por meio do site da FGM: www.fgm.salvador.ba.gov.br.

O edital Salvador Cine irá premiar 10 propostas voltadas para a produção audiovisual local distribuídas em três eixos. O primeiro eixo vai contemplar a produção de cinco projetos de curtas-metragens no valor de R$ 100 mil; o segundo prevê o prêmio de R$ 50 mil para dois projetos que visem a finalização de longas-metragens de baixo orçamento; enquanto o terceiro eixo irá premiar três projetos de R$ 50 mil voltados ao desenvolvimento de obras em formato de seriados com, no mínimo, quatro episódios.

A ficha técnica dos projetos deve conter, obrigatoriamente, no mínimo cinco integrantes, podendo o representante do proponente ou titular MEI integrar essa lista, desde que tenha função técnica ou artística a ser realizada, medida que visa mitigar a concentração dos recursos, promovendo sua distribuição entre diferentes profissionais do setor do audiovisual.

Para o gerente de promoção cultural da Fundação Gregório de Mattos, Felipe Dias, o edital representa um importante passo para o fomento, a produção e a circulação de produtos audiovisuais realizados na capital baiana. “Estamos trabalhando para estimular o desenvolvimento de diversas áreas do audiovisual da cidade, com foco, principalmente, nas pequenas produtoras. Queremos criar condições para o desenvolvimento e a diversificação deste mercado”.

Os projetos podem desenvolver produções audiovisuais documentais, ficcionais ou de animação, cujo cronograma seja executado entre o dia 30 de abril a 30 de dezembro de 2023, compreendendo desde as etapas de pré e pós-produções. A implementação desse novo mecanismo de fomento busca fortalecer a cidadania cultural, ampliar a democratização e descentralização do acesso aos recursos públicos para iniciativas audiovisuais empreendidas por produtoras independentes, coletivos e organizações da Sociedade Civil atuantes no campo do audiovisual.